Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
7/03/23 às 17h31 - Atualizado em 7/03/23 às 17h31

Educação ganha o reforço de cerca de três mil servidores

Futuros profissionais da rede pública de ensino do DF lotaram o Auditório Master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães para participar da solenidade com a governadora em exercício, Celina Leão | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

 

A educação pública do Distrito Federal vai ganhar o reforço de 2.953 servidores. Nesta terça-feira (7), a governadora em exercício Celina Leão assinou a nomeação de 1.861 mil monitores de gestão educacional e de 1.092 aprovados para outras carreiras. O ato ocorreu no Auditório Master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães e contou com a presença de boa parte dos futuros profissionais da rede.

 

Foram nomeados 1.861 monitores de gestão educacional, 686 secretários escolares, 400 de apoio administrativo, dois de arquivologia, dois de comunicação social e dois de direito e legislação. Já na gestão Ibaneis Rocha, entre 2019 e 2023, foram nomeados 16.769 servidores aprovados em concurso público para cargos efetivos no Governo do Distrito Federal (GDF).

 

Um reforço que vem em boa hora para a pasta que reúne o maior número de profissionais entre todas as secretarias do DF, com mais de 66 mil servidores ativos, inativos, pensionistas e outros. Nas salas de aula, os números também são superlativos, com mais de 475 mil estudantes matriculados.

 

Segundo a governadora em exercício, a chegada desses servidores vai atender um público que precisa de um acompanhamento próximo dos estudantes, como é o caso dos alunos com algum tipo de deficiência, atualmente estimados em 28 mil em toda a rede.

 

“As pessoas com deficiência precisam de um atendimento de qualidade na educação pública, elas precisam de vocês. E, se vocês estão felizes, imagina as mães e familiares desses alunos. A comunidade escolar está muito mais feliz”, disse.

 

Ainda segundo a governadora, a Educação é parte essencial no orçamento do governo e, por isso, recebe prioridade. “Estamos alocando R$ 180 milhões para a remuneração anual desses servidores. É uma grande nomeação e uma espera de tantos anos. Eles chegam para atender uma procura cada vez maior por vagas na rede pública”, complementa.

 

Para a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá, a educação é uma grande rede que, para funcionar da melhor forma, precisa de um corpo de funcionários completo. “A nossa missão é cuidar de gente, dos nossos estudantes. Para cuidar bem deles, nós precisamos de todos os profissionais da Educação, desde o vigilante, passando pela merendeira até os monitores, professores, técnicos de gestão escolar e os demais. É uma rede formada por muita gente”, lembra. “É uma alegria muito grande porque, sempre que convocamos novos servidores, isso significa melhoria no atendimento aos alunos”.

 

Os servidores nomeados cuidam de áreas diversas, entre elas da parte administrativa, de apoio e suporte. Os monitores, por exemplo, chegam para cuidar de 28 mil alunos com algum tipo de deficiência. Já os secretários são responsáveis pelos dados e matrículas dos estudantes, enquanto os técnicos são alocados em áreas administrativas nas regionais de ensino.

Aprovada para o cargo de apoio administrativo da carreira de Assistência à Educação, Rovânia Araújo estudou durante três anos até passar no concurso. Tempo que, agora, faz valer todo o esforço. “Deixei uma bebê na creche, foi um momento doloroso e que valeu muito. Entro de coração aberto e com muita gratidão para trabalhar na Secretaria de Educação”, diz.

 

Futura colega de Rovânia, Andreia Alves também foi aprovada para monitora de gestão educacional. A profissional já atua na secretaria, de forma temporária, e agora comemora o cargo efetivo. “Comecei a estudar em 2016 e fiz a prova no ano seguinte. Não estava esperando essa nomeação, e ela veio como um presente nesse momento da vida. Atuo como professora temporária e, agora, entrar na rede vai mudar a minha vida. Sei da necessidade de monitores nas escolas e entro para somar”, afirma.

 

por Ian Ferraz, da Agência Brasília | Edição: Saulo Moreno