Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/11/19 às 10h45 - Atualizado em 28/11/19 às 14h48

Em discussão, políticas públicas contra a violência

COMPARTILHAR

POR LUCÍOLA BARBOSA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA*

 

 

A implantação de uma política de segurança foi o tema da abertura do I Seminário Internacional Um Novo Olhar sobre a Segurança Pública, que começou na segunda-feira (25) – Dia Internacional de Luta pelo Fim da Violência Contra a Mulher – e se estende até quarta-feira (27), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

 

“Não foi por acaso que escolhemos o dia 25 de novembro como data de início do nosso seminário”, destacou o secretário de Segurança Pública, delegado Anderson Torres. “Esse marco nos ajuda a firmar nossa responsabilidade perante esse assunto. Temos empenhado esforços desde o início desta gestão, que decidiu encarar os números, não correr das estatísticas e, sobretudo, estudar o ambiente social e comportamental desses eventos.”

 

Organizado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o seminário tem como meta disseminar experiências e contribuir para o debate sobre boas práticas voltadas à redução da violência e da sensação de insegurança.

 

Troca de experiências

 

“Promover e garantir a segurança pública é um desafio para toda a sociedade”, declarou o governador em exercício, Paco Britto, durante a abertura do evento. “No Distrito Federal, buscamos a formulação de políticas públicas que sejam capazes de estabelecer um novo paradigma transformador da realidade social e da forma de intervenção do Estado.”

 

Os palestrantes foram convidados com base em experiências bem-sucedidas de estratégias elaboradas em seus estados e países de origem para redução da violência. Desta forma, serão compartilhadas boas práticas adotadas tanto no Brasil quanto em países como Estados Unidos, Argentina, Itália, Espanha, França, Inglaterra, Austrália, Israel, Paraguai e Colômbia.

 

“Ficamos sabendo do seminário por meio da internet, e os palestrantes foram o fator determinante para a participação de nosso estado”, afirmou o tenente-coronel Rodrigo Lacerda, da Polícia Militar do Tocantins. “Vamos levar experiências interessantes para serem compartilhadas.”

 

Também presente ao evento, a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, ressaltou a necessidade de colocar a população feminina no centro das discussões. “Se é seguro para a mulher, será para todos”, resumiu. Ela sinalizou também a meta de alcançar o “feminicídio zero” – eliminação total da violência contra a mulher – e citou a futura construção de quatro unidades de atendimento a vítimas de violência doméstica no DF, projeto do GDF em parceria com o governo federal.

 

Participantes

 

A maior parte dos 450 participantes inscritos são das forças de segurança locais. Mas também há convidados de outros órgãos, como policiais legislativos, federais, além de servidores dos ministérios da Justiça (MJ) e de Segurança Institucional (GSI), de tribunais federais e locais e de secretarias de segurança de outros estados. Também há representantes da Universidade de Brasília (UnB), Fundação Getúlio Vargas (FGV), Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e dos Conselhos de Segurança (Consegs) formados na sociedade civil.

 

Também compareceram à abertura do seminário o comandante-geral da Polícia Militar do DF, coronel Julian Rocha Pontes; o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, coronel Emilson Ferreira dos Santos; o deputado federal Luís Miranda; a vice-presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), Ana Maria Brito; o secretário de Segurança Pública do Tocantins, Cristiano Barbosa Sampaio; o secretário-executivo da SSP, Alessandro Moretti; e diretores da Polícia Civil do DF (PCDF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Agência Brasileira de Inteligência (Abin), entre outros convidados.

 

Temas das palestras

 

  1. – Enfrentamento à violência contra a mulher
  2. – Combate à corrupção e ao crime organizado
  3. – Experiência internacional de polícia nas Américas
  4. – Tecnologias na gestão de segurança pública
  5. – Sistema penitenciário
  6. – Atuação em grandes eventos e manifestações e em situações de catástrofes e calamidades
  7. – Gerenciamento de crises e uso de meios especiais.

 

Com informações da SSP